Entendendo a Identidade Sexual



A sexualidade é influenciada pelas normas de gênero. As expectativas sociais ligadas ao gênero influenciam a maneira como homens e mulheres se comportam e isso inclui suas atitudes, sentimentos e essencialmente seu comportamento afetivossexual. Essas expectativas tendem a se basear no pressuposto de que existem duas categorias de pessoas, homens e mulheres, e que elas se comportam de maneira diferente com base em seu sexo biológico.

Você é um homem ou uma mulher?

Até recentemente, a maioria das pessoas teria encontrado uma resposta simples para essa pergunta. Você teria sido capaz de dar uma resposta definitiva de uma forma ou de outra, e provavelmente teria apelado para o seu tipo de corpo e biologia para explicá-lo. Você pode ter mencionado seus genitais, ou se isso pareceu um pouco indelicado, fez referência aos cromossomos que as pessoas com esses genitais geralmente possuem.


A menos que você tenha vivido em uma caverna nos últimos anos, você estará ciente de que a questão agora é considerada significativamente mais complicada do que isso. Não podemos mais supor que as pessoas com conjuntos particulares de configurações genitais sejam homens ou mulheres, e nem devemos definir essas categorias de gênero por referência à biologia e à função reprodutiva.


A razão pela qual essa questão é agora considerada muito mais complexa do que poderíamos pensar inicialmente não se deve ao fato de que, devido a certas condições cromossômicas ou hormonais, nem todos os indivíduos podem ser facilmente categorizados como biologicamente masculinos ou femininos. A justificativa real para questionar nosso entendimento tradicional sobre a identidade sexual de homens e mulheres tem pouco a ver com a existência de pessoas intersexuais e mais com o recente aumento no número de pessoas que são biologicamente inequivocamente de um sexo, mas identificam como o oposto.


A identidade sexual existe em um amplo espectro. Há muitas maneiras pelas quais os indivíduos expressam e descrevem suas atrações românticas, físicas e/ou emocionais para outras pessoas, porém todos são únicos na forma como experimentam (ou não sentem) essa atração. Assim, alguns indivíduos, apesar de possuírem a biologia masculina, por exemplo, têm um senso subjetivo profundo de si mesmos como mulheres. Alguns podem optar por passar por uma transição médica para tornar seus corpos mais parecidos com os corpos femininos, mas alguns não. Algumas pessoas podem continuar a se vestir e se apresentar de maneira estereotipicamente masculina - até mesmo mantendo os pelos faciais - enquanto afirmam possuir a identidade de gênero de “mulher”. O mesmo vale para as mulheres.


Para ajudá-l@s – o símbolo “arroba” (@) expressa a neutralidade de gêneros em relação à ortografia – a compreender melhor a identidade sexual dentro do contexto do sexo biológico, identidade de gênero, orientação sexual e papel sexual, elaboramos uma sequência de perguntas e respostas sobre cada uma dessas questões e esperamos poder contribuir para um melhor entendimento sobre esse importante aspecto da sexualidade.

O desconhecimento sobre a abrangência do real significado de sexualidade e a errônea concepção de que sexo a ele se insere como contexto de um mesmo aspecto, em relação as questões ligadas ao ato sexual puramente físico, fazem com que a abordagem sobre a sexualidade esteja envolta nos mesmos mitos, tabus e preconceitos existentes, ainda hoje, em relação ao sexo, com seus desdobramentos devastadores sobre as questões de gênero.


“Para transformar uma sociedade é nos transformarmos. É transformar, também, a sociedade que está dentro de nós” (Ronaldo Pamplona)



1. O que é identidade sexual?


R- Identidade sexual é o sexo biológico determinado pelas características físicas que diferenciam homens e mulheres.


2. O que é identidade de gênero?


R- Identidade de gênero é a sensação que a pessoa tem em pertencer ao gênero masculino ou feminino. É a forma com que a pessoa se percebe e se identifica.


3. Como podemos classificar a orientação sexual? Quais suas subdivisões? Poderia explicar um pouco de cada?


R- Orientação sexual, ou melhor definindo, orientação afetivossexual diz respeito à sensação interna de que temos a capacidade para nos relacionarmos amorosa e sexualmente com alguém. Dessa forma e dependendo do gênero (masculino ou feminino) por quem desenvolvemos essa atração e laços afetivos, podemos subdividir a orientação afetivossexual em:


Heterossexual – Quando a atração e laços afetivos está voltada para alguém de outro gênero;

Homossexual – Quando a atração e laços afetivos está voltada para alguém do mesmo gênero;

Bissexual – É a atração afetivossexual voltada para ambos os gêneros e,

Assexual – Quando não existe atração afetivossexual por nenhum gênero.


4. Por que ela se confunde com orientação sexual?


R- Elas se confundem porque o termo “Orientação” também está relacionado a uma percepção interna e que faz parte do nosso psiquismo, mas esses termos definem aspectos bem distintos, isso porque a orientação sexual diz respeito a atração afetivossexual por um gênero enquanto a identidade de gênero está relacionada à sensação de pertencer a um gênero, masculino ou feminino. Para um melhor entendimento podemos dizer que a identidade de gênero é a forma com que você se percebe e se vê, masculino ou feminino e a orientação sexual é por quem seu coração bate mais forte, por quem você sente atração.


5. Quando as crianças desenvolvem sua orientação sexual?


R- As pesquisas científicas atuais consideram que a orientação sexual é construída, psicologicamente já na primeira infância. Outras apontam para a possibilidade de ser inata, mas que somente na adolescência passamos a perceber esses sentimentos. No entanto, ao tratar do tema orientação sexual, deve-se buscar considerar a sexualidade como algo inerente à vida e à saúde, que se expressa no ser humano, do nascimento até a morte.


6. Quando elas se “descobrem” transgêneras? Há uma idade certa?


R- A identificação com o sexo oposto, segundo uma pesquisa de relatos de histórias de crianças Trans – “Meu Eu Secreto”, e o eventual desejo em assumir uma nova identidade de gênero começa geralmente já na primeira infância e se manifesta através das preferências por coisas e objetos como cores, brinquedos, vestimentas e também assumindo comportamentos do sexo oposto.


7. Como explicar de maneira clara e em poucas palavras a transexualidade?