Terapia sexual - Quando é o momento certo para um casal procurar ajuda?


Quanto tempo um casal pode caminhar por conta própria antes de procurar uma terapia sexual? Cada casal é diferente, portanto não existe um tempo ou momento mais adequado. Embora não exista uma regra concreta a ser seguida, existem sinais em seu relacionamento que podem ajudar a determinar a necessidade de se buscar ajuda profissional, sem que esta seja considerada um “último recurso”.

Falar sobre sexo e dificuldades no relacionamento pode parecer estranho ou mesmo constrangedor para muitos casais. Pedir ajuda para resolver questões nestas áreas pode parecer imaturidade ou incapacidade em lidar com os próprios problemas. Mas não é preciso pensar dessa forma pois os terapeutas sexuais são profissionais especializados a nível de pós-graduação e que possuem habilidades especiais para atuar nas questões relacionadas à terapia sexual na saúde e educação e em todos os aspectos da sexualidade.

Os problemas diádicos do relacionamento (falta de assertividade nos gestos, atos ou palavras, dificuldades na comunicação, inadequação sexual, disfunções sexuais, relações extraconjugais) encontram na terapia sexual recursos fundamentais para a recuperação da harmonia conjugal, possibilitando aos muitos casais que se encontram nessa situação a possibilidade de retomarem o pleno desenvolvimento da sexualidade e a recuperação da saúde sexual fundamentalmente importantes para o compartilhamento de uma vida conjugal saudável e duradoura.

Também é muito comum nos relacionamentos principalmente de longa data a diminuição ou perda da apetência sexual onde o entusiasmo dos primeiros tempos vai sendo substituído por uma amizade cada vez mais assexuada. Essa é uma disfunção sexual que se evidencia pela ausência ou redução significativa do interesse/excitação sexual.

Num contexto geral, a terapia sexual é destinada às pessoas que não conseguem, a partir dos seus próprios recursos, obter uma resposta sexual que lhes seja satisfatória e que encontram obstáculos para sentir satisfação com a atividade sexual. A terapia sexual pode ajudar a resolver várias questões sexuais, desde preocupações sobre dificuldades em obter desejo ou excitação sexual, interesses sexuais ou orientação sexual, comportamento sexual elevado, disfunção erétil, ejaculação precoce (rápida), problemas para atingir o orgasmo (anorgasmia), transtorno da dor gênito-pélvica/penetração (Vaginismo e Dispareunia), assim como problemas ligados a experiências sexuais indesejadas vivenciadas, além de problemas de intimidade e a maneira como você se relaciona com seu par.

Apresar de todas as dificuldades provenientes dos tatus em relação às questões de gênero, são as mulheres que mais nos procuram ajuda - no consultório ou por por Skype - para tratar das queixas sexuais e de relacionamento. Sem dúvida nós mulheres temos bem mais facilidade em falar sobre esses assuntos. Portanto, nos problemas de relacionamento é muito importante o trabalho de convencimento com o parceiro porque, além dos assuntos individuais, é o relacionamento que está doente e precisa ser tratado e a participação e empenho de ambos é fundamental.

Reações de projeções e/ou introjeções são muito comuns nos problemas de relacionamento. A tendência é um transferir para o outro toda culpa pela situação ou então assumir para si toda responsabilidade. Se você se identificou com uma das situações aqui mencionadas, não deixe para depois, marque uma consultoria com um profissional especializado em sexualidade. Quanto maior for o seu sofrimento, maior será o desgaste em seu relacionamento.

#TerapiaSexual #Relacionamento #Procurarajuda #PerdadoDesejo #Casalfeliz #Educaçãosexual

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Nenhum tag.
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

Terapia Sexual na Saúde e Educação e Desenvolvimento Emocional

Rua Dr. Luiz Bellegard, 555 - 2º andar - Imbetiba - Macaé - RJ

Tel.: (22) 3051-5150 / 99816-0562 / 99911-9275

contato@sexualidadeemacao.com

Abrasex.jpeg

2017 por SEXUALIDADE EM AÇÃO. Todos os direitos reservados